O primeiro

 
 
na Escola Secundária Alberto Sampaio

 

 

 

Um projeto "Tu Decides"

Orçamento Participativo Jovem Municipal
 
 

 

 

 

armário 65

Imagina um armário.

Agora, imagina muitos armários – todos iguais!

Não importam as tuas origens, não importa o teu grau escolar, não importa a tua etnia, não importa a tua localização geográfica, a tua orientação sexual ou o teu credo: a igualdade de direitos de oportunidades e de acesso à informação e à educação é garantido.

Os Armário 65 são todos, em tudo, iguais!

 

Objetivos do projeto

> Desenvolver e valorizar valores éticos e morais que promovam uma melhor convivência entre os indivíduos e respeito pelos bens da comunidade;

> Introduzir alternativas lúdicas e sociais no relacionamento dos jovens.

 

Porquê criar o “Armário65”?

A sociedade atual pretende-se regida por bons exemplos e boas práticas e, também, pela democratização, não apenas da informação, como de bens e serviços. Por outro lado, é uma sociedade que pretende ser cada vez mais baseada nas noções de partilha e de auto responsabilização, segundo valores éticos e morais que nos guiem para uma melhor convivência.

Temos vários exemplos que podemos utilizar como inspiração, nomeadamente a cultura hostel backpack, na qual os viajantes usam e partilham livremente os bens presentes nos hostels sem que haja qualquer tipo de vigilância ou controle; a venda de jornais sem jornaleiro, como acontece em alguns países do norte da Europa; restaurantes que, para pagar, mostramos os palitos daquilo que consumimos.

No entanto, apesar de bons exemplos de boas práticas e da procura do desenvolvimento de valores éticos que promovam uma melhor convivência e a auto responsabilização, são muitos os exemplos que contrariam estas linhas de pensamento – “sorria, está a ser filmado” – São muitos os exemplos de controlo e repressão, que promovem a desconfiança, a desmoralização* e, consequentemente, promovem o sentimento de injustiça ética, bem como uma privacidade violada.

 

O que é o “Armário 65”?:

Na procura de contrariar esta sociedade cada vez mais repressiva – leia-se desmoralizante1 – e vigilante, propomo-nos a colocação do “Armário 65” em locais de grande presença juvenil, nomeadamente, salas do aluno, sedes de escuteiros/guias, associações juvenis ou lares de jovens, entre outros.

O Armário 65 é um armário de acesso livre, sem vigilância, totalmente desburocratizado. Pretende-se com isto o desenvolvimento da ética, com a adoção de comportamentos sociais, que visem a melhor harmonia possível do grupo. Ao mesmo tempo que se valoriza a moral permitindo que o jovem decida, em total consciência, para consigo mesmo, qual o comportamento a adotar perante uma situação de total liberdade: sem câmaras; sem funcionários; sem alarmes; sem professores; sem aloquetes; apenas com a sua moral.

Os “Armário 65” implementados serão todos iguais, reforçando o sentimento de igualdade, e irão equipados com jogos de mesa e de tabuleiro, alguns clássicos, mas maioritariamente, os chamados modernos. Pretende-se com isto a introdução de alternativas lúdicas e o alargamento de grupos, afastando os jovens de caminhos desviantes e diminuindo comportamentos de bullying, desenvolvendo nos jovens um espírito mais crítico e criativo. Pensando nos jogos não só pelas suas mais-valias ao nível do desenvolvimento de raciocínio, tomas de decisão, do espírito crítico, etc, os jogos têm uma faceta social extraordinária. Basta pensar, por exemplo, que sendo divertido estar na escola com os colegas e criando novas amizades porque se partilhou um jogo, sair da escola no intervalo das aulas será menos atrativo. Porque respeitamos a individualidade de cada um, os jogos que estarão disponíveis no Armário 65 poderão ser diferentes de armário para armário e poderão mudar ao longo do tempo, conforme os gostos dos seus usuários.

 

Cultura na Mesa: Jogos de Mesa e de Tabuleiro

Os jogos funcionam como sistemas de aprendizagem baseadas em regras, criando mundos em que os jogadores participam ativamente, usando pensamento estratégico para fazer escolhas, resolver problemas complexos, buscar conhecimento do conteúdo, receber feedback constante e considerar o ponto de vista dos outros.

O jogo tem, sobre o jovem, o poder de um exercitador universal, facilita tanto o progresso da sua personalidade integral, como o progresso de cada uma das suas funções psicológicas, intelectuais e morais. Falar em jogos, de uma forma geral, é falar em pensar, divertir-se e em relacionar-se com os outros.

Estamos na era de ouro dos jogos de tabuleiro, nunca houve tantos e tão bons. O mercado tem disponíveis mais de oitenta mil títulos. Todos os anos são lançados entre oitocentos e mil jogos novos. Já não é possível experimentar todos os jogos, assim como não é possível ler todos os livros. Há, portanto, jogos para todos os gostos: simuladores de guerra, históricos, fantasistas, só de diversão ou mais estratégicos, competitivos, cooperativos, com tabuleiro ou só de mesa, de destreza motora ou visual, abstratos ou altamente temáticos, de dedução lógica, sem perguntas, solitários ou de grandes grupos.

 

Contactos

Cidade Curiosa - Associação geral@cidadecuriosa.com